Graduação Pós-Graduação Pesquisa Extensão Biblioteca Intercâmbios Comunicação A FFLCH  
Skip to Content

Estágio em Teoria Literária e Literatura Comparada

Atividades de Estágio: Estágio em Teoria Literária e Literatura Comparada
 
Créditos Aula: 2
Créditos Trabaho: 3
Carga Horária Total: 120
Tipo: Semestral
Ativação: 2º semestre de 2014
 
Objetivos
Tendo em vista a formação de professores, o curso tem o objetivo de refletir sobre o trabalho com narrativas em sala de aula. Tomando como ponto de partida a análise e interpretação de textos, pretende-se aprimorar a formação didático-pedagógica dos alunos, discutindo a natureza e a função da obra literária, as relações entre literatura e sociedade e o diálogo estabelecido entre a literatura e outras artes. 
 
Programa resumido
Estudo dos aspectos gerais da narrativa (gêneros e formas da ficção; aspectos da teoria do romance e do conto; análise, comentário e interpretação da narrativa) e dos elementos que a compõem (tema, fábula e enredo; personagem e caracterização; foco narrativo; tempo e espaço; forma, estrutura e significado). O curso pretende exercitar de forma prática a análise e a interpretação aderentes ao texto literário, buscando explorar possíveis vias para o trabalho com contos e romances na sala de aula. Os alunos do Estágio deverão acompanhar o curso de Introdução aos Estudos Literários II, cujo programa específico será apresentado pelos professores a cada semestre.
 
Programa 
O programa específico será apresentado pelos diferentes professores, a cada semestre.
 
Avaliação:
Método
Aulas expositivas (teóricas). Redação de sequência didática (prática), fundamentada teoricamente na bibliografia indicada, visando à análise e à interpretação de textos narrativos na sala de aula. Participação, a critério do professor, em discussões e seminários ou em plano de atividades didático-pedagógicas desenvolvidas em sala de aula (prática).
 
Critério
a) Presença e participação em aula
b) Capacidade analítica e interpretativa
c) Clareza de exposição
d) Citação adequada das fontes consultadas
e) Cumprimento das atividades didático-pedagógicas propostas 
f) Capacidade de associar o conteúdo específico da disciplina à reflexão sobre a prática do ensino
 
Bibliografia
 
AGUIAR, Flávio (org).   A escola e a letra. São Paulo:  Boitempo, 2009.
ALMEIDA Prado, Candido, Rosenfeld, Sales Gomes. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1972.
ANDRADE, Mário. “Osvaldo de Andrade” (1924) in ANDRADE, Oswald de. Memórias sentimentais de João Miramar. São Paulo: Globo, 2004.
ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Ars Poetica, 1992. 
ARRIGUCCI Jr., Davi. “Teorias da narrativa: posições do narrador”, in Jornal de Psicanálise. São Paulo, Set. de 1998.
BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
_____. “Prazer nos clássicos”, in Inéditos, vol. 2 – crítica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BASTIDE, Roger. “A ação da arte sobre a sociedade”, in Arte e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional/EDUSP, 1971.
BENJAMIN, Walter. “O narrador”, in Magia e técnica. Arte e política.  São Paulo: Brasiliense, 1993.
BOSI, Alfredo. “A interpretação da obra literária”, in Céu, inferno. São Paulo: Duas Cidades/ Editora 34, 2003. 
IDEM. “Situação e formas do conto brasileiro contemporâneo” in Bosi, A, (Org.). O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1975.
CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos?. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
CANDIDO, Antonio.  A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática (1987). 
IDEM. “A literatura e a formação do homem”, in Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades/34, 2002.
IDEM. “Dialética da malandragem” e “De cortiço a cortiço” in O Discurso e a Cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993.
IDEM. “Literatura e cultura de 1900 a 1945” in Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1973.
IDEM. Na sala de aula. São Paulo: Ática, 1985.
IDEM. "O aparecimento da ficção" e "O triunfo do romance" in Formação da Literatura Brasileira (vol. 2). Belo Horizonte: Livraria Martins, 1981.
IDEM.  “O direito à literatura”, in Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
IDEM.  “O escritor e o público” e “A literatura e a vida social”, in Literatura e sociedade. São Paulo: T.A. Queiroz, 2000.
IDEM. O romantismo no Brasil. São Paulo Humanitas, 2002.
IDEM. “Um instrumento a descoberto e interpretação” in Formação da literatura brasileira. São Paulo: Martins (1959), vol. II, cap. 3, pp. 109- 118. 
CARPEAUX, Otto Maria. “Formas do romance” in Literatura e Sociedade, n. 1, São Paulo: DTLLC-FFLCH-USP, 1996. 
CHIAPPINI, Lígia.  Reinvenção da Catedral. São Paulo: Cortez, 2005. 
COMPAGNON, Antoine. “O leitor”, in O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.
DETIENNE, Marcel. “La mémoire du poète”, in Les maîtres de vérité dans la Grèce  archaïque. Paris: Librairie Générale Française/Le Livre de Poche: Références, 2006.
ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
_____. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 2001.
_____. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2004.
IDEM. “O uso prático da personagem” in Apocalípticos e integrados. Trad. Pérola de Carvalho, São Paulo: Perspectiva, 1970.
FRIEDMAN, Norman. “Ponto de vista na ficção” in Revista da USP, no. 53, São Paulo, março-maio, 2002.
FONSECA, Maria Augusta (org.). Olhares sobre o romance. São Paulo: Nankin, 2005.
HAMBURGER, Michael. A verdade da poesia. São Paulo: CosacNaify, 2007.
HILLIS MILLER, J. “A ética da leitura”, in A ética da leitura: ensaios 1979 – 1989. São Paulo: Imago, 1995.
ISER, Wolfgang. O ato da leitura. São Paulo: Editora 34, 1999.
JAEGER, Werner. “Lugar dos gregos na história da educação”, in Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
JAUSS, H. R. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Ática, 1994.
IDEM. Pour une Esthétique de la Réception. Paris: Gallimard, 1978.
JOUVE, Vincent. A leitura. São Paulo: Edunesp, 2002.
IDEM. “La lecture comme retour sur soi: de l’interêt pédagogique des lectures subjectives”, in ROUXEL, A.; G. Le sujet lecteur: lecture subjective et enseignement de la littérature. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2004.
IDEM. Por que estudar literatura? São Paulo: Parábola, 2012.
LAFETÁ, João Luiz. “O mundo à revelia” in A dimensão da noite. São Paulo: Editora 34, 2005.
LAJOLO, Marisa Usos e abusos da literatura na escola: Bilac e a literatura escolar na República Velha. Rio de Janeiro, Globo, 1982.
LINS, Osman. “Disneylândia Pedagógica” in Do Ideal e da Glória – Problemas Inculturais Brasileiros. São Paulo: Summus, 1977.
IDEM. “Confraria do Virginal Abrigo” in Um mundo estagnado. Recife: Imprensa Universitária/UFPE, 1966.
IDEM. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.
LUBBOCK, Percy. A técnica da ficção. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1976.
LUKÁCS, G. “Narrar ou descrever” in Ensaios sobre literatura. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira (1968).
MAZZARI, Marcus. Representações Literárias da Escola. Revista de Estudos Avançados. vol.11 no.31. São Paulo Set./Dec. 1997.
IDEM. Labirintos da aprendizagem. São Paulo: Editora 34, 2010. 
IDEM. «  Literatura para todos ». In : Revista Literatura e Sociedade. São Paulo: DTLLC/FFLCH/USP. V.10, p.58=69, 2006.
IDEM. « O ensino   da literatura ». In : Literaturas, Artes, Saberes ( org. Sandra Nitrini et alii). São Paulo: ABRALIC/HUCITEC, 2008.
MENDILOW, A. O tempo e o romance. Trad. Flávio Wolf de Aguiar. Porto Alegre,: Globo (1972).
PIGLIA, Ricardo. “Teses sobre o conto” in O Laboratório do escritor. Trad. Josely Viana Batista. São Paulo: Iluminuras, 1994, pp. 37-40.
POUND, Ezra. ABC da Literatura. São Paulo: Cultrix, 2006. 
PROUST, Marcel. O prazer da leitura. Lisboa: Teorema, 1997.
_____  Sobre a leitura. Campinas: Pontes, 1989.
REZENDE, Neide Luzia de; FREDERICO, Enid Yatsuda; MACHADO, Maria Zélia Versiani. Conhecimentos de Literatura. In: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. (Org.). Linguagens, códigos e suas tecnologias. 1 ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006, v. 1, p. 49-86.
REZENDE, Neide Luzia de. O ensino de literatura e a leitura literária. In: Maria Amélia Dalvi, Neide Luzia de Rezende, Rita Jover-Faleiros. (Org.). Leitura de literatura na escola. 1 ed. São Paulo: Parábola, 2013.
ROSENFELD, Anatol. “A teoria dos gêneros” in O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 1986.
ROUXEL, A., LANGLADE, G. Le sujet lecteur: lecture subjective et enseignement de la 
littérature. Rennes: PUR, 2004.
SARTRE, Jean-Paul. Que é a literatura? São Paulo: Ática, 2006.
SCHWARZ, Roberto – Ao vencedor as batatas. Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977.
SONTAG, Susan. “Do estilo”, in Contra e interpretação. São Paulo: L&PM, 1987.
SOUZA, Gilda de Mello e. O tupi e o alaúde. Uma interpretação de Macunaíma. São Paulo: Duas Cidades, 1979.
IDEM. A ideia e o figurado. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2005.
STAIGER, Emil. “A arte da interpretação”. Humboldt, ano 4, n. 9, 1964, pp 10 a 22.
TRILLING, Lionel. “O significado de uma ideia literária”, in Literatura e Sociedade. Rio de 
Janeiro: Lidador, 1950.
TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. São Paulo: Difel, 2009.
VERRIER, Jean. “Vãs querelas e verdadeiros objetivos do ensino de literatura na França”, in Revista Educação e Pesquisa, v. 33, no 02,  2007.
 
AnexoTamanho
Programa de Estágio - Versão Final.docx26.23 KB